Marcelo Delaroli fará interlocução de Bolsonaro com estados e municípios

Confirmando a notícia dada em primeira mão pelo GBNEWS, a titular do Extra, Extra, Berenice Seabra, publicou neste domingo (30), que o deputado federal Marcelo Delaroli (PR-RJ) terá lugar de destaque no gabinete do presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), que toma posse nesta terça-feira (01) em Brasília

Senador eleito Flávio Bolsonaro, presidente eleito Jair Bolsonaro e deputado federal Marcelo Delaroli

Diz a nota do jornal carioca:

"O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) terá ao seu lado cinco mosqueteiros — ex-deputados com experiência no Congresso Nacional, que farão a interlocução de estados e municípios com o Palácio do Planalto.

Além de ajudar a cuidar dos parlamentares, é claro.

Eles serão nomeados assessores diretos de Jair, e estarão lotados na Casa Civil de Onyx Lorenzoni (DEM).

O representante do Rio será Marcelo Delaroli — que disputou a vaga de vice-governador na chapa de Romário (Podemos) e não se elegeu.

Também já estão certos os nomes de Leonardo Quintão, de Minas Gerais; e Carlos Manato, do Espírito Santo.

Temas

A primeira reunião dos mosqueteiros será em janeiro.

Mas Delaroli já sabe que dois assuntos, sobre o Estado do Rio, estarão na ordem do dia.

Segurança pública, claro. E a rede de hospitais federais. “As unidades estão largadas, o que fizeram com a rede aqui foi uma covardia”, disse o deputado", finalizando a notícia do Extra.

Após a derrota nas urnas do senador Romário Farias, alguns veículos de comunicação de Maricá, onde o deputado federal mora com a família, chegaram a afirmar que Marcelo Delaroli estaria morto politicamente. Na ocasião, o GBNEWS mostrou que não era bem assim, ouviu o parlamentar que foi um dos principais apoiadores no Rio de Janeiro da campanha eleitoral vitoriosa do então candidato Bolsonaro à sucessão do presidente Michel Temer (MDB).

Na ocasião, Delaroli esboçando um sorriso, disse que ajudou a alavancar em Maricá as candidaturas de Jair Bolsonaro e do vereador eleito deputado estadual Filipe Poubel (PSL) e, com isso, não estaria morto politicamente na sua cidade.

Integrando a equipe de transição do presidente eleito, Marcelo Delaroli respondendo ao GBNEWS se poderia ser ministro afirmou que não, mas que faria parte da equipe de Jair Bolsonaro.