Poubel acusa Witzel de fazer carnificina e governador pode ir para o PSL antigo partido de Bolsonaro


Acusado de ter sido um dos causadores de mais um adiamento da inauguração do Hospital de Campanha de São Gonçalo, o deputado estadual bolsonarista Fillipe Poubel (PSL), em uma live ao vivo há pouco, fez sérias acusações ao governador Wilson Witzel (PSC), que pode ir para o partido que elegeu o presidente Jair Bolsonaro (sem partido)

Bem ao estilo Jair Bolsonaro, Poubel (ao lado do seu chefe de Gabinete Wilsinho), disse que não sujou o hospital quando esteve com sua equipe para uma fiscalização na quarta-feira (27).

“Não sujamos porra nenhuma e muito menos pulamos o muro. Passamos por onde os funcionários da Iabas estavam passando. Toda a fiscalização foi gravada e a PM acompanhou a nossa visita. Isso é uma desculpa do governador Wilson Witzel e do presidente da Organização Social Iabas para justificar o quinto adiamento da inauguração da unidade. Eles não inauguram os hospitais para o tratamento das pessoas com coronavírus, estão cometendo uma verdadeira carnificina. Witzel está fazendo uma putaria no governo do estado”, disse o parlamentar.

Segundo a colunista Berenice Seabra do jornal carioca Extra, na edição on line desta sexta-feira, o governador Wilson Witzel decidiu deixar o PSC. Ele já teria iniciado negociações para se filiar ao PSL, partido que elegeu o arqui-inimigo Jair Bolsonaro, onde ainda estão muitos deputados estaduais bolsonaristas, inclusive Fillipe Poubel.

O GBNEWS procurou Poubel para saber se a ida do governador seria uma boa chance de deixar o PSL sem perder o mandato.

“Essa ida dele (Witzel) para o PSL pode facilitar a minha saída. Porém, nossas convicções políticas já não estão alinhadas ao partido desde a saída do nosso presidente Jair Bolsonaro da sigla. Não nos surpreende se isso acontecer. É um plano maquiavélico desse governador tomando corpo e cor”, disse.

A administração de Wilson Witzel não está somente em crise na área da saúde com acusações de corrupção que estão sendo investigadas pela Polícia Federal. O governador tem problemas também na Assembleia Legislativa (ALERJ).

O deputado Márcio Pacheco (PSC) pretende entregar o cargo de líder do governo nesta sexta-feira (29). O primeiro vice-líder, Léo Vieira (PSC) também vai deixar a função. Os parlamentares acham que ficou muito difícil a interlocução entre os Palácio Tiradentes e Guanabara, depois que o governador decidiu exonerar o chefe da Casa Civil, André Moura.

Nos gabinetes do Palácio Tiradentes, corre a notícia de que os processos pedindo o impeachment do governador serão tocados para frente.