Manifestantes criticam governo em frente a UERJ


A situação continua crítica na Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), no Maracanã, Zona Norte carioca. Hoje pela manhã, alunos, professores e funcionários fizeram um protesto para alertar a população sobre o descaso do governo Pezão com a instituição.


Segundo o diretor do Centro Biomédico, Mário Carneiro, os funcionários não receberam até hoje os salários de abril, maio e o 13º. De acordo com Mário, a universidade também não está recebendo recursos para a manutenção e, para ele, que trabalha há 32 anos na instituição, essa é a "pior fase".


"A universidade não está recebendo recurso pra manutenção. As empresas terceirizadas estão trabalhando sem receber. O centro Biomédico está em condições precárias como todas as unidades, tudo está defasado. Só o Hospital Pedro Ernesto, em Vila Isabel, é que está recebendo com decisão de arresto judicial. É a pior fase que eu já vi", explicou o diretor.


A Uerj é uma das mais importantes universidades do país, com mais de 40 mil alunos de graduação e pós-graduação, grupos de pesquisa de alto nível científico e outras unidades, como o Instituto de Aplicação Fernando Rodrigues da Silveira (CAp-Uerj), o Hospital Universitário Pedro Ernesto e a Policlínica Piquet Carneiro.