top of page

União de Maricá fez bonito na estreia na Sapucaí

Rio de Janeiro, 10/02/2024

Por Redação GBNEWS

Fotos: Evelen Gouvêa/Vinícius Lima

A Escola de Samba União de Maricá se destacou na sua estreia pela Série Ouro, na madrugada deste sábado (10), às 2h30, na Marquês de Sapucaí, no Rio de Janeiro. A escola foi a sexta a desfilar e contou com a presença marcante da modelo, empresária e eterna “Globeleza”, Valéria Valenssa, que retornou à Sapucaí depois de 20 anos afastada, e recentemente foi nomeada “embaixadora da cidade de Maricá”.

 

O enredo “O Esperançar do Poeta” é uma grande homenagem aos compositores que mudam vidas a partir de seus versos e melodias. A escola trouxe muita exuberância em suas alegorias e fantasias, se destacando das demais agremiações do grupo. A comissão de frente surpreendeu o público com uma peça cenográfica em forma de pandeiro que se movia onde os componentes sambavam em cima dela.

O prefeito de Maricá, Fabiano Horta (PT), desfilou pela escola e falou sobre a ansiedade da estreia no palco principal do carnaval carioca, a Marquês de Sapucaí. “Ansiedade de uma expectativa positiva. A comunidade construiu um belo carnaval, trouxe muita vibração acima de tudo. A escola vai passar pela Sapucaí levando muita energia de uma cidade que se reconhece na transformação, na afirmação da cultura popular do samba como valor identitário e vai chegar chegando. Vai levar esperança para outras cidades do Rio de que é possível transformar o território. Maricá é meu país, meu país é Maricá!", declarou o prefeito antes da escola entrar na avenida.

 

Com 1.400 componentes, a maioria deles moradores de Maricá, e quatro carros alegóricos, a União de Maricá fez um desfile bastante elogiado por especialistas em carnaval.

O Esperançar do Poeta

 

O samba-enredo “O Esperançar do Poeta”, do carnavalesco André Rodrigues, foi composto por Rafael Gigante, Vinicius Ferreira, Junior Fionda, Camarão Neto, Victor do Chapéu, Jefferson Oliveira, Marquinho Abaeté e André do Posto 7. A obra é uma grande homenagem ao ato de compor samba, tendo Guaracy Sant’Anna como o fio condutor. Guará, como ficou popularmente conhecido, é o autor de sambas marcantes, como “Sorriso Aberto”, eternizado na voz de Jovelina Pérola Negra, “Singelo Menestrel”, “Catatau”, dentre outros.

O desfile foi pensado em trechos de músicas para contar uma história de esperança para os compositores e da classe sambista. O 2º carro alegórico, denominado “E aquela gente de cor com a importância de rei vai pisar na passarela”, traz o boneco de uma baiana girando em 360º e com uma coroa na cabeça como destaque da escola. Uma referência às baianas como fundamento ancestral da cultura, fazendo referência às mulheres que eram compositoras e inspiradoras como Dona Ivone Lara e Tia Ciata.

bottom of page