Prefeito de Itaboraí tem encontro em Maricá após decretar estado de calamidade administrativa

Rio de Janeiro, 14/01/2021

Por Gilson Barcellos

Fotos redes sociais

Encontro foi no gabinete do prefeito de Maricá


O prefeito de Itaboraí, Marcelo Delaroli (PL) um dia após decretar estado de calamidade administrativa na sua cidade, esteve em Maricá nesta quarta-feira (13), para uma reunião com o prefeito reeleito Fabiano Horta (PT), com o secretário de governo João Maurício, e com o presidente da autarquia responsável pelas obras da cidade (SOMAR), Renato Machado.


Segundo Delaroli em postagem no facebook, o encontro foi para tratar de assuntos importantes para a região.

Renato Machado, Fabiano Horta e Marcelo Delaroli


“Sabemos que temos muito trabalho pela frente e o objetivo aqui é agirmos em conjunto para desenvolvermos a cidade. Temos muito o que fazer na infraestrutura, na educação, no emprego e diversas outras questões sociais que tem necessitado de intervenção com urgência, como a saúde, principalmente pela situação do Covid-19. O trabalho não para e estamos juntos para TRANSFORMAR!”


Decreto

Marcelo Delaroli assinou o decreto de calamidade em via pública


O prefeito Marcelo Delaroli decretou esta semana estado de calamidade administrativa em Itaboraí, cidade da Região Metropolitana do Rio de Janeiro, onde está instalado o Complexo Petroquímico do Estado (Comperj).


O objetivo do decreto é evitar que o município não sofra com a paralisação das atividades públicas. A medida tem a finalidade de ajustar as contas municipais e solucionar os problemas herdados da gestão anterior, como a falta de contratos de serviços públicos essenciais. Principalmente dentro da saúde pública, cemitérios e até na prestação de serviços diários, como limpeza urbana.


O decreto estabelece ainda que as secretarias estão autorizadas a adotar medidas excepcionais para racionalização e otimização dos recursos operacionais e de pessoal para não interromper os atendimentos essenciais.

Essa foi uma das atitudes de austeridade e contingenciamento tomadas pelo prefeito Marcelo Delaroli, que já tinha estabelecido a criação da Comissão de Auditoria e Fiscalização responsável por levantar todas as folhas de pagamento dos servidores ativos e propor ajustes fiscais nos contratos.