top of page

Peró recupera áreas degradadas com espécies típicas de restinga

Rio de Janeiro, 30/6/2024

Por Redação GBNEWS

Foto: Valente

O plantio de vegetação nativa e a recuperação de áreas degradadas são ações previstas para a Praia do Peró, onde também serão feitas campanhas de educação ambiental com a participação de estudantes. As medidas atendem ao programa mundial de áreas degradadas, lançado pela Organização das Nações Unidas (ONU) como prioridade do meio ambiente em 2025.

 

Coordenadora do Programa Bandeira Azul na Praia do Peró, a bióloga Luísa Rieth disse que também está prevista a recuperação dos canteiros da orla do Peró com o plantio de espécies típicas da Mata Atlântica. Ela também garantiu que será intensificada a fiscalização para preservar as áreas verdes e coibir o trânsito de veículos não autorizados no calçadão fora do horário de carga e descarga.

 

O programa Bandeira Azul convidou alunos da rede para produzir vídeo de educação ambiental ressaltando a importância da vegetação de restinga e as principais ameaças que a zona costeira sofre, exaltando projetos de recuperação realizados no Peró, com destaque para os canteiros de ipomeas (espécies fixadoras de restinga), que foram idealizados pelos movimentos Ondas do Peró com apoio dos Amigos do Peró.

 

Com apoio dos quiosques e da Secretaria de Meio Ambiente, os canteiros de ipomeas se espalharam pelo restante da praia, formando um grande corredor verde que impede, em dia de ventos fortes, que a areia da praia seja levada para o calçadão. A iniciativa foi inscrita no concurso “Amar a Praia”, do Bandeira Azul Brasil, que premia boas práticas de preservação ambiental nas praias com o selo internacional de qualidade ambiental.

 

Moradores e ambientalistas aplaudiram a recuperação das áreas degradadas e o reforço na fiscalização, não somente na proteção das áreas verdes como também no ordenamento da praia, das Conchas ao Pontal. E pediram à Prefeitura, através da Secretaria do Meio Ambiente, um plano de arborização nas ruas do Peró, que carece de árvores e manejo das poucas já existentes.

 

 

 

Comentários


bottom of page