Mercado Municipal é o ponto chave para a retomada da economia de Niterói


A previsão é que no dia 22 de novembro, aniversário da Niterói, a restauração do novo Mercado Municipal esteja finalizada para ser entregue aos niteroienses. O prédio, em art déco, localizado na região central da cidade, esteve abandonado por mais de 30 anos e será um polo comercial e econômico em Niterói.

Neves foi com assessores ver de perto a restauração do Mercado (fotos Luciana Carneiro)

O prefeito de Niterói, Rodrigo Neves (PDT), explica que no local existia um galpão abandonado do Estado que foi municipalizado e está sendo todo reformado.

“No próximo dia 22 de novembro, nós entregaremos as obras do restauro do Novo Mercado Municipal de Niterói. Esse prédio é uma preciosidade da art déco no Brasil inaugurado pelo então presidente Getúlio Vargas na década de 40. Teremos a restauração concluída no dia 22 e vamos iniciar, através de uma parceria com o setor privado, a implantação de lojas e restaurantes com padrão internacional. Esse é um esforço para manter as empresas vivas, sobretudo as pequenas e médias, e a gente trabalhou muito nesse contexto no sentido da pandemia e por isso Niterói está tendo uma retomada mais forte e mais rápida do que todas as outras cidades do entorno”, enfatizou o prefeito. “Esse projeto é uma das âncoras da retomada da economia de Niterói. Vamos ter aqui dezenas de empresas instaladas com centenas de empregos gerados, revitalizando também do ponto urbanístico do entorno”, disse.

Giovanna Victer, secretária de Fazenda, ressalta que o local vai provocar mudanças com a geração de empregos.

“Esta é uma iniciativa de parceria com o setor privado para atrair o público não só para essa experiência de consumo e gastronômica, mas também a revitalização urbanística, com empreendimentos imobiliários e abertura de indústrias aqui na região. Essa é a forma que a prefeitura tem que reativar a economia, de fortalecer o desenvolvimento e, principalmente, o emprego na nossa cidade”, destacou a secretária.

Segundo o Secretário de Urbanismo e Mobilidade Urbana, Renato Barandier, a revitalização do Mercado Municipal está atraindo não só comércio, mas habitação para a região do centro da cidade.

“Antes mesmo de abrir o Mercado, essa âncora de revitalização urbana, nós já temos aqui ao lado uma fábrica de sorvete sendo construída e prestes a ser inaugurada. Também temos um supermercado atacadista em construção e um conjunto residencial, que é uma das diretrizes de sustentabilidade do século XXI, que vai trazer habitação para o centro. Isso já está acontecendo aqui na região com duas torres residenciais sendo construídas”, reforçou Renato Barandier.

A parte do restauro está praticamente concluída, com a colocação das lajes metálicas, e será entregue aos niteroienses no dia 22 de novembro, aniversário da cidade. A partir desta data, as lojas e comércios poderão começar a se instalar para que, até o início do próximo ano, possam estar em pleno funcionamento.

Restauração - O edifício da Avenida Feliciano Sodré está recebendo um trabalho meticuloso e feito com cuidado para manter todas as características da arquitetura art déco. O imóvel faz parte de um conjunto arquitetônico da região portuária de Niterói, com uma área de cerca de 9.700 metros quadrados.

O térreo do mercado será um espaço para comercialização de frutas, incluindo espécies raras e de cultivo orgânico, verduras, legumes, produtos tradicionais da região, açougue, empórios especiais, produtos gourmet, queijos, laticínios e especiarias. No mezanino ficarão restaurantes, cervejarias artesanais e adega.

Parceria – A Prefeitura de Niterói e o consórcio Novo Mercado, vencedor da licitação, firmaram uma PPP para a reforma e gestão do espaço por 25 anos. O investimento do consórcio será de R$ 69 milhões em três anos, sendo R$ 30 milhões na reforma do atual prédio.

Cerca de 3.500 pequenos e médios empresários já demonstraram interesse na locação de boxes do espaço e os negócios estão em andamento para a ocupação das 180 lojas.

Na segunda fase, serão construídas uma nova praça e um centro cultural e edifício garagem com 300 vagas. Todo o local contará com medidas de sustentabilidade, como o uso da luz natural, reaproveitamento de água de chuva e telhado verde.