Itaboraí volta a atrair olhares dos forasteiros


Em 2012, com o Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj) a todo vapor, candidatos de outras cidades tentaram sentar na cadeira do poder executivo e administrar a próspera e nova terra do petróleo. Não deu certo, nem a eleição dos forasteiros, nem a prosperidade de Itaboraí. A crise de 2015 levou a cidade ao caos econômico e social, os forasteiros desapareceram na eleição da falida Itaboraí de 2016.

Parece que bons ventos voltaram a soprar na terra da laranja. Além de Carlos Pereira (PDT), ex-prefeito da vizinha Tanguá, um aspirante a prefeito de Itaboraí leva no nome de campanha o carimbo da sua cidade de origem, Marcelo Delaroli de Maricá (PL). O moço não vem sozinho, seu candidato a vice-prefeito, o petista Casula, tentou duas vezes uma cadeira na Câmara de Vereadores do Rio.

Concorrendo com os forasteiros, itaboraienses que já ocuparam ou ocupam cargos políticos na cidade, como o ex-prefeito Sérgio Soares (PROS), que tenta seu quarto mandato, o atual, Dr Sadinoel (PP), que não quer largar a cadeira e dois vereadores, Joana Lage (PODEMOS) e Edinho (PMB), que tentam dar um upgrade na carreira política.