Conselho cobra nomeação do novo gestor do Parque da Costa do Sol

Maior parque segmentado do Brasil, com cerca de um milhão de metros quadrados, o Parque Estadual da Costa do Sol (PECS) está sem comando desde 16 de junho, quando foi publicada a exoneração do chefe Marcelo Morel. Um gigante, criado em abril de 2011, o PECS protege ecossistemas (lagoas, restingas, praias, dunas, sambaquis e florestas) de seis municípios: Saquarema, Araruama, São Pedro da Aldeia, Arraial do Cabo, Cabo Frio e Búzios

                                                                       Muito procurado por trilheiros, o Morro do Vigia, no Peró, é um dos ecossistemas do Parque da Costa do Sol 

                                                                       (foto Ernesto Galiotto)

 

A falta de comando levou o Conselho Consultivo do PECS a cobrar, através de uma carta, a nomeação de um novo chefe “que consiga resolver os muitos problemas existentes”. A nomeação do novo gestor também abrange a escolha da direção das Unidas de Proteção Ambiental (APAs), vinculadas ao parque. O documento foi encaminhado ao gerente de Unidades de Conservação do Instituto Estadual do Ambiente (INEA), André Veiga.

 

-- Os conselheiros consideram importante que o novo gestor tenha conhecimento básico sobre manejo e conservação de recursos naturais, legislação e políticas ambientais. Fundamental que tenha experiência em gestão de unidades de conservação e conheça o PECS, seus conflitos e desafios, além de estar preparado para trabalhar em parceria com o Conselho Consultivo nos planos setoriais, essenciais na efetivação do parque – apelou o secretário-executivo do Conselho, Roberto Noronha.

 

Em resposta, André Veiga admitiu a importância das reivindicações do Conselho para continuidade da gestão no parque, “tão importante para a conservação do bioma Mata Atlântica da região”, mas alegou que até o momento não foi escolhido o sucessor de Marcelo Morel. Em nota, o INEA informou que “está em andamento a substituição do gestor do Parque Estadual da Costa do Sol”.

 

-- Na carta, manifestamos a necessidade da nomeação imediata dos gestores do PECS e da Apa do Pau Brasil (Cabo Frio e Búzios), tendo em vista o número grande de demandas existentes nestas unidades. Mostramos também a importância da manutenção de recursos materiais e humanos na gestão das unidades de conservação – acrescentou Noronha.

 

As invasões e queimadas são alguns dos problemas das áreas protegidas pelo PECS. O Plano de Manejo, aprovado somente em abril de 2019 sob pressão judicial, ainda não foi colocado em prática. O plano regulamenta a visitação pública do parque, abrindo-o para o turismo. O PECS, de proteção integral, e a APA também carecem de guarda-parques e de uma brigada para combate a incêndios florestais.

 

 

 

Facebook
Twitter
Linkedin
Pinterest
Google+
Please reload

2017 @ TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
Desenvolvido por Paula Celestino