Covid-19 recua em Niterói segundo especialistas


Em nota técnica, Comitê Técnico Científico

afirma que a cidade apresenta queda nos índices

da pandemia de coronavírus

Drive Thru no Caminho Niemayer (fotos Berg Silva)

Cerca de 50 dias depois da implantação do Plano de Transição Gradual para o Novo Normal e do início da abertura gradual das atividades em Niterói, em 21 de maio, os números do início de julho mostram queda na evolução da Covid-19 na cidade. De acordo com dados do Comitê Técnico Científico, que reúne especialistas de instituições como a Universidade Federal Fluminense (UFF), Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), os índices de evolução da pandemia – que consideram dados de ocupação dos leitos, taxa de transmissão do coronavírus, novos casos e óbitos – estão recuando semanalmente. De acordo com a nota técnica 03/20, no início do plano, o indicador síntese (média de todos os indicadores) estava em 12,38. Após sucessivas quedas, chegou a 7,13. A relação entre número de novos casos semanais para cada 100 mil habitantes também está caindo de forma consistente. Antes em 102,8 infectados a cada grupo de 100 mil habitantes, hoje esse índice chega a 59,20 infectados para cada 100 mil habitantes.

Medição de temperatura no terminal rodoviário

O Comitê Científico foi instituído pelo decreto nº 13.604/2020 e avalia que a situação de Niterói diverge do cenário nacional, onde a pandemia da Covid-19 tem apresentado grandes desafios para as estratégias de controle, com altas taxas de incidência, de hospitalização e de letalidade relacionadas à doença. O Comitê lembra que o Brasil figura entre os três países com maior número de novos casos diários junto com EUA e Índia, segundo a Organização Mundial de Saúde no relatório de 4 de julho, quando o Brasil registrou mais de 64 mil óbitos.

"O Comitê entende que a gestão complexa da pandemia através do plano de transição para um novo normal tem sido executada de forma eficiente pela Prefeitura. A forma de comunicação tem sido adequada, o que caracteriza um elemento muito importante de gestão integrada e de sucesso de implementação do plano. Entretanto, a situação grave do entorno continua a se constituir em ameaça à população de Niterói", avalia o documento.

Barreira da Rua Feliciano Sodré

Segundo os especialistas, o resultado se deve a ações como testagem em massa, em especial em comunidades, rígido protocolo de funcionamento dos estabelecimentos autorizados a reabrirem suas portas, com treinamento periódico e fiscalização, e a conscientização da população, com a grande maioria usando máscara em ambientes públicos e aderido aos novos hábitos. A cidade ainda se mantém como o município com a maior aderência ao isolamento social, desde o início dessa medida. O número básico de reprodução, que mostra o quanto em média um indivíduo infectado pode infectar outros indivíduos, também vem caindo: de 4,22 para 1,40. O dado é calculado semanalmente para a cidade por um grupo de pesquisadores da Coppe e da Faculdade de Medicina da UFRJ. “Essa nota técnica é muito importante porque ela comprova que Niterói seguiu as recomendações dos especialistas, fez o dever de casa e teve a ajuda da população – que se conscientizou, respeitou o isolamento social e o uso de máscaras. A Prefeitura, por sua vez, fez investimentos robustos em programas como o Renda Básica, Empresa Cidadã, além da distribuição de máscaras e sanitização de ruas e comunidades”, disse o prefeito de Niterói, Rodrigo Neves (PDT). De acordo com a Fundação Municipal de Saúde, Niterói tem 6.195 casos confirmados de Covid-19 em moradores da cidade, com 414 pacientes em isolamento domiciliar e acompanhados pela Fundação e 105 pessoas hospitalizadas. A cidade registra 226 óbitos e tem 5.450 pacientes recuperados.