Cirurgias Bariátricas voltam no dia 13/07 no Hospital Estadual Carlos Chagas


Coordenador do Programa Estadual, o médico Cid Pitombo

fala sobre o protocolo de atendimento especial

criado para os atendimentos em tempos de covid-19

Médico Cid Pitombo em mais uma cirurgia bariátrica (fotos divulgação)

O Programa Estadual de Cirurgia Bariátrica, que funciona no Hospital Estadual Carlos Chagas, em Marechal Hermes, Zona Norte do Rio, retomará as atividades tanto no ambulatório, quanto no centro cirúrgico, a partir do dia 13 de julho. De acordo com o coordenador do programa, o médico Cid Pitombo, nesta primeira etapa haverá restrições quanto ao número de pacientes atendidos e a retomada total será feita de forma progressiva, à medida que os números de casos de Covid-19 no Rio de Janeiro estejam reduzindo. Em pleno funcionamento, o Programa atende cerca de 1.200 pacientes e realiza 40 procedimentos cirúrgicos por mês. Até o momento, mais de 3.200 pessoas já foram operadas pelo dr Cid Pitombo no Hospital Estadual Carlos Chagas, 100% por videolaparoscopia; único programa do SUS a adotar o método menos invasivo de cirurgia bariátrica.

O Hospital Estadual Carlos Chagas está adotando todas as medidas de segurança necessárias para o retorno das cirurgias bariátricas, de acordo com os protocolos e medidas exigidas pelas autoridades sanitárias nacionais. Entre elas, está a aferição de temperatura de todos os pacientes que chegarem ao HECC; a instalação de tapetes para descontaminação dos pés; a disponibilização de um totem de pedal para uso de álcool gel sem a necessidade de retirar com as mãos. O paciente aciona a bomba por um pedal nos pés, evitando o contato; uso contínuo de máscaras; painéis de proteção no ambulatório e sinalizações e orientações, que estarão disponíveis em vários locais. Além disso, todos os funcionários estarão com equipamentos de proteção individual ( EPIs) e treinados para orientar os pacientes quanto à segurança e prevenção.

"Há uma demanda enorme que foi reprimida e esta volta é importantíssima, pois a obesidade mórbida é uma condição clínica grave e há muitas pessoas na fila. Estamos tranquilos quanto a nossa capacidade de atender com toda segurança. Houve muitos estudos e treinamentos para lidar com esta nova realidade", diz o médico Cid Pitombo (foto).

Todos os pacientes qualificados para cirurgia serão testados para Covid-19 gratuitamente no Hospital.

Apoio virtual - Para se manter conectado com os pacientes obesos em tratamento, o dr Cid Pitombo e sua equipe multidisciplinar de psicólogos, nutricionistas e clínicos montou grupos de whatsapp e usaram as redes sociais para orientar e confortar os pacientes e recém-operados durante todo o período de distanciamento social. E tem dado resultado. Juntos os vídeos já tiveram mais de 150 mil visualizações.

Obesidade e o novo coronavírus - Cientistas da Universidade de Nova York (NYU) descobriram que a obesidade é o fator mais importante para a hospitalização ou não de um paciente após a infecção pelo novo coronavírus. Eles conduziram o maior estudo realizado em hospitais dos Estados Unidos nesta pandemia e indicaram que a composição corporal desempenhou um grande papel na resposta de cada indivíduo ao COVID-19. Pesquisadores franceses do Instituto Lille Pasteur examinaram 124 pessoas internadas com coronavírus e descobriram que 47,6% eram obesas e 28,2% tinham obesidade mórbida, quando o Índice de Massa Corporal é superior a 35. Foram analisados pacientes entre 27 de fevereiro a 5 de abril de 2020 e o proporção de obesos que precisaram de ventilação mecânica era maior em comparação aos não-obesos: 85,7% foram entubados Perfil do especialista - Cid Pitombo é médico cirurgião, recordista em cirurgias bariátricas por videolaparoscopia no SUS. Na clínica privada, é o responsável pelo tratamento dos atores André Marques e Leandro Hassum .