Covid-19: banhistas invadem as praias sem fiscalização


Nem parece que estamos combatendo a pandemia do coronavírus que já matou mais de 42 mil pessoas no país, sendo 7.417 no Rio de janeiro até a noite desta sexta-feira (12). Neste sábado (13) ensolarado, os banhistas não respeitaram os decretos dos governos estadual e municipais e invadiram as praias do litoral fluminense

Como a fiscalização é deficiente, ineficaz, a ocupação nas praias foi como se estivéssemos num sábado de verão, sem pandemia do coronavírus. A irresponsabilidade das pessoas era tanta que adultos e crianças levadas pelos pais, não usavam a máscara de proteção.

Na Barra da Tijuca, o calçadão era uma passarela de banhistas de sungas e biquínis, sem máscara. Na areia, o tradicional futvolei. No mar, aquele mergulho proibido. A cena se repetia nas praias de Copacabana, Leblon, Ipanema e Botafogo.

Atravessando a ponte Rio-Niterói, apesar da fiscalização mais rigorosa, os banhistas ocuparam um bom espaço das praias de Itaipu, Icaraí e Piratininga, em Niterói.

Em Maricá, apesar das barreiras para veículos nos acessos as praias, Recanto, Itaipuaçu e Barra de Maricá também receberam um bom número de banhistas que burlavam a fiscalização chegando a pé.

Na Região dos Lagos, como sempre a Praia do Forte, em Cabo Frio, foi o local preferido dos moradores e visitantes. Lá, como nos outros municípios, a fiscalização também mostrou ser ineficaz.

Enquanto não houve uma punição rigorosa, como multa ou até mesmo algumas horas na cadeia, a cena se repetirá e os casos de coronavirus estarão aumentando e matando.

Esses irresponsáveis poderiam também assinar o "atestado de suicídio", ou seja, abrir mão do direito de utilizar os equipamentos públicos. Se tiver plano de saúde que procure a rede privada, se não tiver ...