Milagre! Político sai do governo e lembra da importância da imprensa


Nesses meus quase 50 anos de jornalismo profissional em algumas das principais redações do Rio de Janeiro (rádios, jornais e TVs), também como assessor de imprensa dos governos federal, estadual, municipal e iniciativa privada, fui surpreendido com a despedida-desabafo de Luiz Henrique Mandetta (DEM), do Ministério da Saúde nesta quinta-feira (16)

Mandetta faz desabafo na despedida do Ministério da Saúde

Exonerado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), Mandetta num pronunciamento à nação, elogiou a equipe do Ministério da Saúde pelo trabalho desempenhado no combate até ao coronavírus. Fez questão de mencionar os nomes dos auxiliares diretos e dos funcionários que já estavam no ministério quando chegou.

Em dado momento, o ex-ministro destacou a importância da sua assessora de imprensa e ao trabalho dos jornalistas na cobertura das ações voltadas ao combate a doença. Segundo Mandetta, nada teria funcionado positivamente se a imprensa não tivesse divulgado as ações do Ministério da Saúde, como a população permanecer no isolamento social, lavar as mãos constantemente, passar álcool com gel e usar a máscara.

Fiquei surpreso porque nunca vi políticos se lembrarem de jornalistas, de assessores de imprensa, enquanto não são criticados. Normalmente, acham que assessores são apenas para apagar incêndio e nada mais. Não é por aí! A Comunicação Social não serve apenas para mandar releases para a mídia.

Mandetta sai fazendo média com jornalistas, mas quando foi nomeado por Bolsonaro, disse que não iria privilegiar nenhum veículo de comunicação com entrevistas exclusivas etc e tal. Pisou na bola e, recentemente, esqueceu da promessa e não respeitou o princípio da isonomia no serviço público.

Abriu uma porta e certamente fechou outras. Que sirva de exemplo para os nossos políticos e politiqueiros!