Prolagos esclarece como opera o sistema de água para atender cerca de 700 mil pessoas

No dia 31 de outubro, ontem, foi publicado no site do GB News, uma matéria contendo informação errônea sobre a capacidade do sistema de água operado pela Prolagos, a qual gostaríamos de esclarecer. Segundo o site “Os cortes de luz costumam ocorrer com frequência e muitos bairros, principalmente os que ficam nas chamadas pontas de linha, não receberam água, embora a Prolagos cobre tarifa mínima de dez mil litros por mês (mesmo sem consumo) para garantir o abastecimento no pico do abastecendo verão”

"A Prolagos foi contratada para executar o plano de saneamento definido pelo Poder Concedente (governos estadual e municipais), dimensionada para atender a população residente das cinco cidades da área de concessão - Iguaba Grande, São Pedro da Aldeia, Cabo Frio, Armação dos Búzios e Arraial do Cabo, estimada em 420 mil habitantes. Além disso, o sistema tem que atender a 70% desse percentual, ou seja, em torno de 300 mil pessoas a mais, passando de 420 para cerca de 700 mil pessoas.

 

A partir dessas determinações a infraestrutura para captar, tratar e distribuir foi dimensionada.

 

                                                  CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

O sistema é composto por 01 Estação de Tratamento de Água (ETA Juturnaíba, localizada em São Vicente, Araruama – com capacidade para tratar 1.500 litros/segundo), 37 reservatórios, aproximadamente 2.780 Km de redes de distribuição, 107 boosters (unidades de bombeamento), 03  Estações de Controle (Vinhateiro, RJ 106, Tamoios), 19 geradores próprios de energia, 01 Laboratório de Controle de Qualidade, que realiza em torno de 10 mil análises mensais, e 01 um Centro de Controle Operacional (CCO), referência nacional em tecnologia.

 

Para implantar, manter e operar todas essas unidades, atualizando e melhorando continuamente a eficiência do sistema, é definida a tarifa de água a ser paga mensalmente pelo usuário residente.

 

Logo, a afirmação do site de que a Prolagos cobra tarifa para garantir o abastecimento no pico do verão é improcedente, pois para prestar esse atendimento seria necessário praticamente o dobro da infraestrutura atual, considerando que durante a última alta temporada a procura pela região superou em 20% a média histórica. As cidades atendidas receberam o maior número de visitantes dos últimos cinco anos (835.456, que somados à população local ultrapassou 1,25 milhão de habitantes). Ampliar o sistema de água para atender a população excedente por volta de apenas 40 dias implicaria em uma infraestrutura ociosa no restante do ano e no aumento da tarifa para os habitantes residentes.

 

Para não sobrecarregar os moradores dos municípios atendidos, a empresa planeja e executa ações para reforçar o abastecimento durante o verão e minimizar os transtornos. No entanto, com o triplo de pessoas consumindo água, com frequência ainda maior em função das altas temperaturas, em horários de pico, a pressão nas redes diminui e não é possível manter a mesma regularidade da baixa temporada.

 

O Plano Verão, que é protocolado na agência reguladora (Agenersa), envolve uma série de ações preventivas em todas as unidades, já em desenvolvimento para este ano, aquisição de equipamentos e máquinas extras, como geradores, bombas, retroescavadeira, contratação de caminhões-pipa e quadro extra de funcionários, logística, campanha de conscientização entre outras medidas.

 

Em relação à cobrança da tarifa mínima, modelo praticado por todas as concessionárias de água, luz, gás e demais serviços públicos, refere-se à disponibilidade do serviço".

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Facebook
Twitter
Linkedin
Pinterest
Google+
Please reload

2017 @ TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
Desenvolvido por Paula Celestino