Mortes em Maricá colocam Brasil na 4ª posição dos países mais perigosos para a imprensa

Ranking foi divulgado pela ONG Campanha Emblema de Imprensa (PEC) nesta quinta-feira (4). Os dois assassinatos foram cometidos em Maricá, entre maio e junho. A UNESCO também se manifestou pedindo o fim da impunidade

Os jornalistas Robson Giorno (O Maricá) e Romário Barros (LSM) foram executados a tiros, em menos de um mês (maio/junho) no município de Maricá, Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Ao todo, 38 jornalistas morreram em 20 países neste período.

 

O ranking foi divulgado pela ONG Campanha Emblema de Imprensa (PEC). Brasil ocupa a 4ª posição:

 

México – 9 mortes

Afeganistão – 6 mortes

Paquistão – 4 mortes

Brasil e Colômbia – 2 mortes

 

No mesmo período do ano passado, 66 jornalistas morreram em 22 países. Na ocasião, o Brasil apareceu na 7ª posição, com três mortes.

 

Veja o ranking de 2018.

 

Afeganistão – 11 mortes

México – 8 mortes

Síria – 7 mortes

Estados Unidos da América (EUA) – 6 mortes

Iêmen – 5 mortes

Índia – 4 mortes

Brasil – 7 mortes

 

Robson Giorno (45 anos, casado) foi assassinado na porta de casa no bairro Boqueirão no dia 25 de maio. Filiado ao partido Avante, Giorno pretendia disputar a prefeitura na eleição de 2020. Ela dono do portal de notícias e do jornal O Maricá.

 

Romário Barros (31 anos, casado) dono do portal de notícias Lei Seca Maricá (LSM), foi morto dentro do carro na orla da Lagoa de Araçatiba, Centro, no dia 18 de junho.

                                                                                                                                                                            CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Nesta quarta-feira (3), a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) se manifestou denunciando e condenando os assassinatos.

 

Na nota, a diretora-geral da Unesco, Audrey Azoulay, pediu o fim da impunidade, lembrando que a Declaração Universal dos Direitos Humanos “reconhece a liberdade de expressão como um direito humano fundamental”.

 

Os dois crimes são investigados pela Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí. Nesta quinta-feira (4), questionada se alguém foi preso, se as mortes dos jornalistas têm relação e se a motivação dos crimes foi descoberta, a Polícia Civil disse que ainda não há informações a serem divulgadas. 

 

Instituições repudiam crimes

 

Diversas instituições que defendem a classe jornalística se manifestaram contra os crimes ocorridos em Maricá: Associação de Imprensa de Maricá (AIM) e Associação Brasileira de Imprensa (ABI) emitiram  nota pedindo celeridade na investigação; o Programa Tim Lopes, da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), acompanha as investigações e apura se as duas mortes são retaliações e se têm relação com a profissão das vítimas; a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) também se manifestou sobre os assassinatos: “Assim como o assassinato de Robson Giorno, é evidente que Romário Basrros também foi vítima de um crime premeditado, configurando execução”.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Facebook
Twitter
Linkedin
Pinterest
Google+
Please reload

2017 @ TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
Desenvolvido por Paula Celestino