Dentro da lei Maricá garante seu carnaval e o do Rio está ameaçado

                                  Alexandre Oliveira recebe o certificado das mãos de Antonio Gama do Amaral

 

O desfile das escolas de samba do Rio em 2020 está seriamente ameaçado. Em Maricá, após uma paralisação de 11 anos, o prefeito Fabiano Horta (PT) quer as agremiações de volta, ainda este ano, no MariCarnaval (desfile fora de época). Todas as medidas legais estão sendo tomadas para evitar o que está acontecendo no Rio. A última campeã do município, a Inocentes de Maricá, é a primeira das nove agremiações a receber o Certificado de Cadastro de Reconhecimento Público expedido pela Secretaria Municipal de Turismo. A Inocentes  está preparando  sua 9ª Feijoada que acontecerá em agosto visando o MariCarnaval 2019 e, também, garantindo a geração de emprego e renda para a cidade.

 

"Para quem não desistiu e sempre acreditou, o nosso carnaval  voltou", disse entusiasmado o presidente do GRES Inocentes de Maricá, Alexandre  Oliveira Antonio, nesse dia de Santo Antônio (13), seu padroeiro, ao receber o certificado do presidente da Comissão Permanente  de Carnaval da Secretaria de Turismo, Antonio Gama do Amaral.

 

"Esse documento é um comprovante de que a Inocentes cumpriu todas as exigências da Lei Federal nº 13019. A agremiação está apta a receber subvenção governamental. As outras nove escolas de samba de Maricá também estão sendo legalizadas para retornarem a passarela do samba Adélia Breve, em alto estilo ainda neste ano. O mundo do samba só pode agradecer ao secretário de Turismo, Robson Dutra; ao secretário de Governo, João Maurício de Freitas; e ao prefeito Fabiano Horta, que desde o início vêm prestigiando e apoiando o retorno dos desfiles das escolas de samba", disse Alexandre de Oliveira.

 

Escolas ameaçadas no Rio

 

Enquanto o prefeito de Maricá prestigia as escolas de samba por entender que é cultura, o prefeito do Rio, Marcelo Crivella (PRB), caminha na contramão da cultura, da geração de emprego e renda,  desde o início da sua bisonha administração que não prestigia as agremiações além de penalizar o turismo.

 

Em Brasília, o STF manteve a condenação à Liga Independente das Escolas de Samba do Rio (Liesa) a ressarcir os cofres públicos em R$70 milhões. Por unanimidade, os ministros entenderam que a contratação do município do Rio a Liesa em 1995, sem licitação, causou prejuízo aos cofres públicos. De lá para cá, a Liga foi contratada para realizar todos os carnavais do Rio sem licitação. Se a jurisprudência for aplicada neste caso, o carnaval carioca em 2020 ficará inviabilizado.

 

Para evitar que isso ocorra em Maricá, a prefeitura está exigindo toda a documentação das escolas de samba que durante 11 anos ficaram sem desfilar devido a impasse com o prefeito da época. Legalizadas poderão receber subvenção.

 

9ª Feijoada da Inocentes

 

Com o Certificado de  Cadastro de Reconhecimento Público nas mãos, a diretoria da Inocentes de Maricá trabalha mais tranquilamente para promover a sua 9ª Feijoada no dia 10 de agosto, a partir das 13 horas, na Praça Orlando de Barros Pimentel, no Centro.

 

Segundo o presidente Alexandre Oliveira,  esse samba com feijão será a "Festa do Protótipo", com apresentação das fantasias do desfile MariCarnaval 2019 (a data será confirmada nos próximos dias).

 

Na programação ainda, coroação da madrinha da escola, a modelo Clara Paixão, atual rainha do Carnaval do Rio;  Brunno Ribas (intérprete oficial da agremiação); Linna Oliveira (cantora revelação); Marianna Cunha (cantora); Grupo Inocentes do Samba; Grupo Tô Kerendo;  Bateria Pegada de Gurila do mestre Xula; rainha da bateria e rainha do Carnaval 2019 de Maricá, Hellen Martin; e, o rei da bateria e rei do carnaval maricaense deste ano, Cristiano Ligeirinho.

 

MariCarnaval

 

Trata do desfile das escolas de samba do município fora de época, com o objetivo de garantir durante  o ano, emprego e renda para as pousadas, hotéis, comércio em geral e profissionais responsáveis pelas fantasias, adereços, músicos, passistas, carnavalescos, enfim, todos envolvidos no evento. A lei é de autoria do vereador Dr. Felipe Auni (PSD), presidente da Comissão de Turismo da Câmara Municipal de Maricá, que é cumprimentado e parabenizado pelos adeptos do samba quando chega nas quadras de ensaio. Auni também é o autor da lei que dá o nome de Adélia Breve a passarela do samba de Maricá. Adélia é ex-primeira dama da cidade, era ligada ao mundo do samba e morreu ano passado num acidente de trânsito em Niterói. Auni divide a autoria da lei com o irmão da homenageada, o vereador Ismael Breve (DEM).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Facebook
Twitter
Linkedin
Pinterest
Google+
Please reload

2017 @ TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
Desenvolvido por Paula Celestino