Quaquá inelegível, Delaroli comemora em Nova York e Câmara fica numa sinuca de bico


A sessão ordinária desta quarta-feira (28) da Câmara de Vereadores de Maricá promete grandes emoções com a notícia de que o TSE tornou inelegível o presidente do PT-RJ e ex-prefeito Washington Quaquá. A Câmara numa jogada política, até hoje não votou as contas de 2016 do ex-prefeito que foram reprovadas pelo TCE-RJ, na esperança de que o líder petista fosse virar o jogo em Brasília. Agora como vão votar os vereadores governistas? Vão contra as decisões por unanimidade (7 x 0) dos Tribunais do Rio e de Brasília?

Quaquá teve seus direitos políticos cassados pelo TSE. Ele responde a 4 processos no Tribunal de Contas do Estado do Rio (TCE), foi condenado pelo Tribunal de Justiça do Rio (TJ) por improbidade administrativa em outros quatro processos e teve seus direitos políticos impedidos pelo Tribunal Regional Eleitoral do Rio (TRE). Nas redes sociais, o ex-prefeito de Maricá criticou a decisão dos sete ministros do Tribunal Superior Eleitoral que, para ele, só fazem justiça para os ricos.

"Sou de uma comunidade pobre, a do Caramujo em Niterói. Mais uma vez a justiça brasileira fez injustiça. Vou continuar a minha luta política", disse nas redes sociais Quaquá que nas últimas eleições obteve pouco mais de 74 mil votos, mas não assumirá uma cadeira na Câmara Federal e não poderá exercer nenhuma função em órgãos públicos.

Em Nova York, onde participa da 73ª Sessão da Assembleia Geral da ONU, conforme o GBNEWS havia noticiado, o deputado federal Marcelo Delaroli (PR-RJ) comemorou a derrota do seu principal adversário político.

"Acabou o processo que nós colocamos contra Quaquá por improbidade administrativa e roubo do dinheiro público. O processo começou em 2012, quando ele usando a máquina pública teve 2 mil votos a mais que eu para a prefeitura de Maricá. A justiça foi feita", festejou Delaroli nas redes sociais assim que tomou conhecimento da decisão do TSE.

E agora, como os nobres vereadores de Maricá vão votar as contas de 2016, do então prefeito Washington Quaquá, que estão engavetadas? Os parlamentares irão contra as decisões do TCE, TRE e TSE? São 14 vereadores governistas (um não vota a favor de Quaquá) e três oposicionistas.

O TCE registrou, entre outras coisas, três supostas irregularidades de Quaquá quando esteve à frente da prefeitura, dentre elas um déficit financeiro de R$ 1.550.700,03.