Empresários locais assumem o comando do turismo em Maricá

Mesmo com seus inúmeros atrativos turísticos (praias, lagoas, trilhas etc), com a cidade sofrendo uma transformação nos seus quatro cantos, distante apenas 60km da capital, praticamente na porta de entrada da Região dos Lagos, com suas finanças em dia, Maricá até hoje não teve competência para desenvolver uma política pública de turismo. Vive de pequenos eventos que não atraem visitantes e nem sensibilizam o grande empresário para a instalação de hotéis e melhorar a rede de pousadas. Porém, com a mobilização dos empresários locais, a cidade parte para um turismo profissional com a criação do Maricá Convention & Visitors Bureau (MC&VB), associação privada sem fins lucrativos que tem como função promover o turismo, incentivar eventos de grande porte e divulgar o município. Ao que tudo indica, o Aeroporto de Maricá, até agora um elefante branco, será de grande valia para incrementar  o turismo de Maricá

                                                                                         fotos divulgação/WhatsApp

                                                          Marcos Navega falou da importância do MC&VB para incrementar o turismo em Maricá

 

Na noite de quarta-feira (24), foi promovido o Iº Jantar de Integração do MC&VB que reuniu empresários e representantes da Prefeitura num restaurante do bairro Boqueirão. Ainda como resquício do amadorismo, a imprensa não foi acionada para fazer a cobertura deste evento considerado o pontapé inicial para uma nova era do turismo maricaense.  Por exemplo, numa  cidade como Búzios ou Cabo Frio, teriam participado desse encontro a mídia local, representantes dos grandes veículos de comunicação e da imprensa especializada. Nada melhor do que a mídia espontânea.

                                                                                                                                                                                 CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Participou do encontro, uma das maiores autoridades em turismo não só do nosso estado, mas do país. O presidente da Federação de Conventions & Visitors Bureau do Rio de Janeiro e vice-presidente da Brasil Conventions & Visitors Bureau, Marcos Navega. Ele falou da importância da parceria iniciativa privada-prefeitura, do desenvolvimento da cidade, a geração de emprego e renda e maior arrecadação para o município, além da projeção nacional e internacional de Maricá. Navega tem tudo para colaborar e alavancar o setor, desde que não seja atrapalhado por amadores e políticos que gostam de levar vantagem em tudo.

 

Para Alan Novais, secretário de Desenvolvimento Econômico, o associativismo dos empreendedores locais é de suma importância. “A iniciativa dos próprios empresários criarem o MC&VB, construírem este movimento para ajudar na economia da cidade, no fortalecimento do turismo, é fundamental, principalmente por ser iniciativa de quem está acreditando na possibilidade de garantir que a economia da cidade não se reduza às ações da Prefeitura, mas também em ações próprias de cada empresário aqui”, acredita.

                                                                                                                                                                                   CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Já José Orlando Dias, presidente da Codemar, falou de como a operação do Aeroporto de Maricá pode beneficiar o turismo em Maricá. “Trata-se de um aparelho que ajuda na relação do público-alvo da economia turística do município. Vamos iniciar uma operação piloto e teremos uma média de tráfego de passageiros no aeroporto de 200 pessoas por dia. Quando iniciarmos a operação full, serão 800 pessoas/dia”, afirmou José Orlando, que completou: “Até o final de 2019, a expectativa é receber cerca de 1500 a 2000 pessoas/dia. É gente que tem a capacidade de gastar dinheiro em Maricá”.

 

O presidente do MC&VB, Paulo Santos, prestou contas dos atos da instituição, instituída legalmente há 90 dias. Dentre as ações, além da parte burocrática de legalização, estão reuniões estruturantes de trabalho, entre elas com a própria Codemar, já que a Federação realiza, através de um convênio, trabalho de consultoria e desenvolvimento ao setor privado da cidade através de projetos da companhia. “Classificamos os primeiros noventa dias do MC&VB como a primeira fase, focada na implantação, de forma a estarmos estruturados para que, a partir deste momento, possamos abrir uma nova fase, mais estratégica, colocando o trabalho de uma forma externa. Não podemos esperar 15 anos para virar uma segunda Búzios. O trabalho precisa andar rápido”, comentou.

                                                                                                                                                                                 CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A segunda fase de trabalho está sendo chamada de “conhecer/ampliar” e será executada nos próximos 180 dias. Dentre algumas atividades, estão a ativação dos grupos de trabalho instituídos e a construção de um calendário de eventos da cidade, além da implementação de um programa de visitas a hospedagens e restaurantes. Outros programas de desenvolvimento de eventos e de captação de eventos externos estão previstos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

de desenvolvimento de eventos e de captação de eventos externos estão previstos.

Facebook
Twitter
Linkedin
Pinterest
Google+
Please reload

2017 @ TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
Desenvolvido por Paula Celestino