Aconteceu o que Eduardo Paes temia: Garotinho apoiar Romário

Durante a campanha eleitoral, o ex-prefeito do Rio, Eduardo Paes (DEM), jogou todas as fichas para ter como adversário no 2º turno, para o governo do Estado do Rio, o candidato do PRP, ex-governador Anthony Garotinho. Paes também tentou descolar a sua imagem dos integrantes da "gang dos guardanapos" denunciados por Garotinho e de sua amizade com Lula, condenado e preso por corrupção e lavagem de dinheiro, com quem confidenciou que Maricá é um local de merda, mesmo sabendo que moram no município a filha e a neta do ex-presidente da república

Eduardo Paes no meio do fogo cruzado

Ciente de que seria muito difícil reverter a decisão da justiça eleitoral que proibiu a sua candidatura, Garotinho após conversar com o vice de Romário (Podemos), o deputado federal Marcelo Delaroli (PR), anunciou seu apoio ao senador que está em segundo lugar nas pesquisas.

Eduardo Paes preferia disputar a sucessão de Pezão (MDB) com Garotinho que tem uma rejeição altíssima. Agora, Romário tem ao seu lado o responsável por ter levado os integrantes da "gang do guardanapo" para a cadeia, como os amigos de Eduardo Paes, o ex-governador Sérgio Cabral, os ex-secretários de Estado Sérgio Cortes (Saúde), Hudson Braga (Obras) e Wilson Carlos (Governo), além dos ex-presidentes da Alerj, deputados Jorge Picciani e Paulo Mello, também presos na Operação Lava Jato.

Ainda para um possível segundo turno, Delaroli conversou com o presidente regional do PSD e candidato ao governo do estado Índio da Costa que, se não passar à etapa seguinte, deverá engrossar as fileiras de Romário.

REPORTAGEM SEGUE APÓS A PUBLICIDADE

Para o segundo turno, Eduardo Paes já conta com os petistas. A candidata do PT, Márcia Tiburi, não emplacou. Com seu despreparo, cinismo e ar de deboche nos debates televisivos não conseguiu convencer o eleitorado. Mesmo dizendo que Maricá é um local de merda, Paes conta com o apoio do ex-prefeito da cidade e presidente regional do PT, Washington Quaquá, que teve as contas de sua gestão do ano de 2016 reprovadas pelo TCE-RJ e que até agora, sem qualquer explicação, não foram apreciadas pela Câmara de Vereadores. Quaquá que também tinha sido proibido pela justiça eleitoral de continuar com sua campanha para deputado federal, segue no páreo graças a uma liminar e seu futuro político está nas mãos do TSE.

Quanto a Paes, sabendo que não foi perdoado pela população de Maricá, não buscou votos no corpo a corpo. Preferiu participar de duas reuniões políticas fechadas, sem badalações. Circularam pela cidade sem qualquer problema, Romário e Garotinho.