Maricá:TRE pode cassar três vereadores, um fica inelegível e dois expulsos do partido

EXCLUSIVO

 A bruxa está solta na Câmara de Vereadores de Maricá, cidade do litoral fluminense, distante apenas 60 km do Centro do Rio. A justiça eleitoral pode cassar o mandato de três parlamentares, um pode ficar sem o direito de tentar a reeleição e outros dois serão expulsos do partido

 Na manhã desta segunda-feira (18) após várias tentativas, funcionários do Tribunal Regional Eleitoral-RJ conseguiram entregar uma notificação de possível cassação do mandato do vereador Filippe Poubel (PSL), acusado de infidelidade partidária. Conforme o GBNEWS informou na semana passada, com publicação de documentos oficiais da justiça eleitoral, Poubel deixou o DEM e foi para o PSL alegando que teria sido expulso do Partido Democratas. Agora tem cinco dias para apresentar a documentação de expulsão, caso contrário, terá seu mandato cassado. Poubel está no seu primeiro mandato e é pré-candidato a deputado estadual.

 

Outro vereador que está com a corda no pescoço é Ismael Breve, presidente do Democratas-Maricá, que também pode perder o mandato. Semana passada agentes da Polícia Federal e do TRE estiveram no gabinete do parlamentar em busca de documentos. Contra Ismael Breve, também no 1º mandato, existem acusações de abuso de poder econômico e compra de votos na eleição de 2016. O processo está em fase de conclusão e corre em segredo de justiça. Nascido e criado em Zacarias, Ismael Breve deixou a localidade a alguns anos para morar na Ilha do Governador, Zona Norte do Rio e, depois se mudou para Copacabana, Zona Sul do Rio, embora mantenha residência em Maricá para efeito de comprovação de domicílio eleitoral.

 

O terceiro vereador maricaense que pode ter sua vida política interrompida é o vice-presidente da Câmara, Frank Costa (SDD). Entrou com recurso no TSE porque a justiça eleitoral do Rio cassou o seu mandato e o tornou inelegível por 8 anos, por abuso de poder econômico atendendo à ação movida pelo Ministério Público Eleitoral. Ele é acusado de ter utilizado  indevidamente o projeto Viver Bem, programa social desenvolvido pela prefeitura para fins de promoção pessoal e propaganda eleitoral. Frank colocou-se como responsável pelo projeto, que atendia grande parte do município, na medida em que eram oferecidas aulas gratuitas de esportes e reforço escolar. O parlamentar teria feito uso de panfletos exaltando a participação dele no programa e insinuando que o projeto só teria continuidade com a reeleição dele. Também aguarda o resultado do recurso.

 

Quem está ameaçado de não poder tentar a reeleição em outubro de 2020 é o 1º Secretário da Mesa Diretora da Câmara Municipal. Marcos Bambam (PV)  está no seu primeiro mandato e  teve suas contas da campanha eleitoral de 2016 reprovadas. Já recorreu na justiça em Brasília.

 

Quanto a história do vereadores governistas Bidi e Rony Peterson, ambos do PR, é bem diferente. Eles não estão ameaçados de cassação, mas serão expulsos e não perderão seus mandatos. O partido é presidido em Maricá pelo deputado Federal Marcelo Delaroli, principal opositor do governo do prefeito Fabiano Horta (PT). Delaroli é pré-candidato ao governo do Estado e não caminhará rumo ao Palácio Guanabara com dois vereadores do seu partido apoiando o Partido dos Trabalhadores.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Facebook
Twitter
Linkedin
Pinterest
Google+
Please reload

2017 @ TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
Desenvolvido por Paula Celestino