Cunha e Bolsonaro derrotados na justiça

foto montagem

Em decisão monocrática, o ministro do Superior Tribunal de Justiça, Antonio Saldanha, negou pedido de liminar da defesa de Eduardo Cunha, ex-deputado federal pelo MDB do Rio, para livrá-lo da prisão decretada pela 14ª Vara Federal do Rio Grande do Norte, no ano passado. Trata-se do processo da Operação Manus, em que Cunha é acusado de receber propina na construção do estádio Arena das Dunas, em Natal, que teria sido utilizada para a campanha de Henrique Eduardo Alves ao governo do Rio Grande do Norte, em 2014.

Já o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) rejeitou por unanimidade, uma reclamação de Jair Bolsonaro, deputado federal do PSL-RJ, contra a empresa de pesquisa Datafolha, a quem acusava de difamá-lo. O pré-candidato à presidência da República pelo PSL havia tentado impedir a divulgação de uma pesquisa onde, em questionário, o instituto fez a seguinte pergunta: "Você tomou conhecimento sobre denúncias envolvendo o aumento do patrimônio da família do deputado Jair Bolsonaro desde o início da sua carreira política?"

A defesa de Bolsonaro alegava que o uso da palavra “denúncias” despertava no entrevistado um estado emocional contrário ao deputado e era difamatória.