Cônsul Geral da França visita Maricá e passeia no ônibus vermelhinho tarifa zero

09.03.2018

Uma comitiva do governo francês esteve em Maricá, cidade litorânea distante apenas 60km da capital do estado do Rio. Conheceu o Programa de Renda Mínima Cartão Mumbuca, o local onde será instalado o terminal do Porto de Ponta Negra, a casa da tapeceira Madeleine Colaço (enredo da Inocentes de Maricá para o "MariCarnaval de Inverno 2018"),  recebeu convite para participar do Festival de Utopia, conheceu o cinema público Henfil e andou no ônibus vermelhinho tarifa zero

 

                                                                                                                                                                          fotos Jorge André

                      Jean-Paul Guihaumé anda de vermelhinho tarifa zero com Fabiano Horta e conhece pontos turísticos da cidade

 

O prefeito de Maricá, Fabiano Horta recebeu nesta quarta-feira (07) na Casa Darcy Ribeiro, em Cordeirinho, o cônsul geral adjunto da França no Rio de Janeiro, Jean-Paul Guihaumé e o adido cultural Romann Datus. O encontro serviu para estreitar o contato da cidade com o consulado e tornar possível uma relação com alguma cidade francesa que possua características semelhantes a Maricá nos termos de cidades irmãs. O cônsul também deixou o convite para que a cidade participe do Gay Games, que acontece em Paris entre os dias 4 e 12 de agosto. Guihaumé também mostrou interesse na participação de Maricá no Fete d’humanité (Festival da Humanidade) que acontece em setembro em Saint Dennis/La Courneuve.

 

O prefeito Fabiano Horta agradeceu os convites e afirmou buscará  viabilizar a participação de representantes do município nas duas atividades. O chefe do executivo retribuiu o convite chamando o governo francês para participar do Festival da Utopia, que acontece esse ano. Fabiano aproveitou a oportunidade para falar dos projetos do governo e seus programas sociais como o Programa de Renda Mínima Cartão Mumbuca, e de como a iniciativa tem transformado a vida dos beneficiários.  Guihaumé já conhecia o projeto que, segundo ele, é um exemplo a ser seguido. “Já tinha ouvido falar do Cartão Mumbuca pelas mídias europeias. Este tipo de mecanismo de distribuição de renda deve ser seguido como exemplo”, afirmou.

 

Da Casa Darcy Ribeiro a comitiva, que incluía o secretário de Economia Solidária, Diego Zeidan, e a secretária de Cultura, Andreia Cunha, seguiu para o Farol de Ponta Negra, um dos pontos turísticos da cidade. Lá, o prefeito mostrou o local onde será construído o Terminal Ponta Negra (TPN), o Porto de Jaconé. “Este é um dos projetos que a cidade está recebendo. Inclusive uma das empresas que atuarão no porto é francesa”, afirmou.  O cônsul ficou impressionado com as belezas naturais de Maricá. “Estou encantado com a cidade e quero voltar aqui mais vezes”, disse.

 

O transporte público gratuito também foi tema da conversa. O prefeito, secretários e os franceses voltaram para o Centro da cidade de “Vermelhinho”. Durante a viagem, Fabiano falou da iniciativa do transporte gratuito, que a cidade é a única com mais de 100 mil habitantes a oferecer o transporte com Tarifa Zero. No Centro, passaram no Banco Mumbuca para conhecer o novo sistema implantado na moeda social.

 

O roteiro também incluiu o Cinema Público Municipal Henfil e a casa da tapeceira Madeleine Colaço. Na primeira parada a comitiva acompanhou a montagem de uma  exposição de fotos da Coordenadoria de Patrimônio Histórico-Cultural. Em seguida, foi a vez de conhecer um pouco da história e do acervo da tapeceira e criadora do Ponto Brasileiro, Madeleine Colaço, tema do enredo da Escola de Samba Inocentes de Maricá, que desfilará no último fim de semana de julho no evento "MariCarnaval de Inverno 2018". A visita foi guiada por Selma Colaço, neta da artesã, que mostrou todo o acervo, inclusive uma das obras que leva o nome do francês, Jacques-Yves Cousteau.

 

No fim da visita, o prefeito presenteou os franceses com o livro “Maricá Retratos do Paraíso”, que retribuíram o gesto com um kit contendo folder´s e o livro “Uma outra missão francesa, 1917-1918: Paul Claudel e Darius Milhaud no Brasil”, que resgata aspectos da estada dos dois no Rio de Janeiro e traz depoimentos em primeira pessoa que revelam  vivências diplomáticas e culturais no Brasil daquela época.

 

 

 

 

ias diplomáticas e culturais no Brasil daquela época.

Facebook
Twitter
Linkedin
Pinterest
Google+
Please reload

2017 @ TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
Desenvolvido por Paula Celestino