Cabo Frio: servidores entram em greve com salários atrasados

Servidores da Saúde, fiscais de renda municipais e funcionários de outros setores irão entrar em greve a partir da meia-noite da próxima segunda-feira. O motivo é a falta de pagamento do salário de setembro no dia de ontem, quinto dia útil do mês. Um protesto já está marcado para as 9 horas desta segunda, em frente à sede da Secretaria de Saúde, em São Cristóvão

A atitude de cruzar os braços já havia sido decidida em assembleia conjunta dos sindicatos dos Servidores de Cabo Frio (Sindicaf) e dos Servidores da Saúde (SindSaúde) e da Associação dos Fiscais Municipais (AFM), realizada em agosto. No mês passado, quanto também houve atraso no pagamento, o expediente já tinha sido utilizado.


– Ninguém recebeu. E não tem previsão. Creio que a gente fique até dezembro nessa situação. No mês passado, os efetivos da Saúde só receberam no dia 14. Os contratados, no dia 21. Isso sem contar com a situação do reparcelamento (dos atrasados da gestão anterior), que também não tem previsão – comentou o presidente do SindSaúde, Gelcimar Almeida.

Mas para o presidente do Sindicaf, Fábio Claudino, os trabalhadores não devem receber nem mesmo na semana que vem, por causa do feriado nacional de Nossa Senhora Aparecida, na próxima quinta-feira. De acordo com Claudino, desta vez, até mesmo os coveiros dos cemitérios Santa Izabel, no Portinho, e Jardim dos Eucaliptos, no Jardim Esperança, cogitam paralisar as atividades.


– Não é mole. Apenas a Comsercaf e agora os efetivos da Educação receberam. O pessoal dos cemitérios vai esperar até segunda, mas acho que param também. Se pararem vou lá dar uma força – adiantou o sindicalista.


Alegando falta de dinheiro, a prefeitura pagou ontem apenas aos efetivos da Educação. Para isso, foram usados os recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb).


De todo modo, a categoria irá fazer uma assembleia também na segunda-feira, às 18 horas, no Colégio Edilson Duarte para definir se voltam a fazer greve. Em setembro, professores e demais profissionais de ensino ficaram 16 dias parados por conta do atraso no pagamento de agosto, entre outras reivindicações. Para a diretora de imprensa do Sindicato dos Profissionais da Educação, Denise Teixeira, a tendência é que a situação se repita. (fonte: Folha dos Lagos)