Justiça: 'Eu só assinava', disse Pezão sobre obras de Cabral sob suspeita

02.10.2017

Obras do PAC das Favelas e Maracanã no governo Sergio Cabral são investigadas por suspeita de terem sido contratadas mediante pagamento de propina.  Testemunha de defesa de Cabral, Pezão jogou tudo nas costas do seu homem forte, o Braguinha que está também atrás das grades

 

                                                     Foto: reprodução TV Globo

Apesar de larga experiência no serviço  público como prefeito da cidade de Piraí (RJ) por dois mandatos, e secretário de estado de Governo do Rio de Janeiro (administração Rosinha Garotinho), o governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) disse que só assinava os editais de licitação das obras do PAC das Favelas e Maracanã. Elas são investigadas em processos na 7.ª Vara Federal Criminal do Rio por suspeita de terem sido contratadas mediante pagamento de propina. Pezão foi secretário de Obras do ex-governador Sérgio Cabral Filho (PMDB) no período sob investigação.

 

O governador Pezão depôs nesta segunda-feira (02/10) como testemunha de defesa de Cabral. Negou saber da existência, nos editais de licitação para obras do PAC das Favelas, de cláusulas escritas para restringir a participação de empresas que não tivessem feito acertos financeiros com o governo. Também negou saber que um mesmo documento, com firma reconhecida, teria sido compartilhado entre empresas para possível cartelização das obras. A prática seria ilegal e restritiva da concorrência.

 

"Essa documentação não era levada ao senhor?", perguntou o juiz Marcelo Bretas.

 

"Isso ficava subordinado ao Hudson Braga (subsecretário de Obras, hoje preso)", respondeu Pezão.

 

"Era ele que fazia essas licitações, eu só assinava no final. Não participava dessa cartelização, da escolha ou qualquer outra reclamação. Eu só via o edital e dava publicidade a nível nacional", afirmou.

 

O magistrado perguntou então se Pezão não se preocupava em conferir o que fora decidido.

 

"Eu tinha confiança plena em todos os técnicos subordinados", alegou. O governador também qualificou Hudson Braga como "gestor eficiente". O depoimento durou 18 minutos. Hudson Braga, o Braguinha (foto da Veja com Pezão) era homem de confiança de Pezão no governo estadual  nos últimos 10 anos.

 

O ex-governador Cabral está preso desde novembro. Já foi condenado em dois processos criminais a penas que, somadas, passam de 50 anos de prisão. Ele nega as fraudes e questiona a atuação do juiz Marcelo Bretas, que acusa de não ser imparcial.

 

 

 

Facebook
Twitter
Linkedin
Pinterest
Google+
Please reload

2017 @ TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
Desenvolvido por Paula Celestino