Pezão e Alerj são contra medidas de austeridade para tirar o Estado do fundo do poço

Enquanto que os servidores estaduais vão acumulando dívidas com salários atrasados, inclusive o 13º de 2016 que não foi pago, com o povo do Estado do Rio de Janeiro sofrendo com a segurança, educação e saúde operando precariamente sem recursos, o governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) que quer alugar jatinho de alto padrão, acaba de obter uma vitória na Alerj. Os deputados aliados mantiveram o veto de Pezão que é a favor de altos salários para o seu pessoal do alto escalão

Foto divulgação

Maioria dos deputados vota com Pezão contra medidas de austeridade

Em dezembro de 2016, a maioria da Casa decidiu, em votação, acabar com os salários acima do teto. Em seguida, o governo vetou integralmente o projeto. Geralmente, os valores são pagos a secretários requisitados a outros entes, empresas, entre outros. Além de garantir os vencimentos ao profissional pelo cargo que ocupa no estado, o Executivo tem que ressarcir o órgão de origem. Assim, acaba pagando dois salários, que, somados, ultrapassam R$ 28 mil. Em alguns casos, o valor mensal é de aproximadamente R$ 80 mil.


O projeto de lei havia sido elaborado pela Comissão de Orçamento após mensagem do governo , à época presidida por Pedro Fernandes (PMDB), que alegou ter sido esse um dos motivos pela abstenção. O texto previa apenas o corte de 30% das remunerações, e o deputado Comte Bittencourt (PPS), integrante do grupo, apresentou emenda para impedir altas remunerações. A proposta entrou na redação final que foi aprovada no plenário.

Segundo o deputado Comte Bittencourt (PPS), - foto divulgação - o estado não tem condições de pagar valores expressivos. "Foi debate duro, mas que conseguimos naquele momento aprovar em plenário", declarou o parlamentar, lembrando que o então presidente Jorge Picciani (PMDB) colocou em votação destaque de Paulo Melo (PMDB) que suprimia este artigo do projeto. "É lamentável. Não há lógica que justifique o estado, no quadro de crise, se responsabilizar por salários muito acima do nosso teto"


O GBNEWS publica a relação dos 26 deputados estaduais que votaram com o governador Pezão, garantindo os super salários mesmo neste período de crise financeira no Estado do Rio de Janeiro.


André Ceciliano (PT), André Corrêa (DEM), Aramis Brito (PHS), Chico Machado (PDT), Coronel Jairo (PMDB), Danielle Guerreiro (PMDB), Dica (PTN), Dionísio Lins (PP), Dr. Deodalto (DEM), Dr. Gotardo (PSL), Edson Albertassi (PMDB), Gil Vianna (PSB), Iranildo Campos (PSD), Janio Mendes (PDT), João Peixoto (PSDC), Luiz Martins (PDT), Marcos Vinicius (PTB), Milton Rangel (DEM), Paulo Melo (PMDB), Pedro Augusto (PMDB), Rafael Picciani (PMDB), Rosenverg Reis (PMDB), Zé Luiz Anchite (PP) e Zito (PP).


Esses deputados que são contra a redução de 30% dos salários do governador Pezão, do vice Francisco Dornelles (PP) e secretários, também mantiveram gastos com viagens aéreas, aluguel de carros e telefones celulares.