Câmara de Maricá: Bate boca, falta de ética e economia porca


A falta de preparo de alguns parlamentares chega a ser assustador. Circos são armados nas Câmaras de Vereadores e de Deputados Federais, nas Assembleias Legislativas e no Senado. Parlamentares despreparados, principalmente os de primeiro mandato, quando veem câmeras de tv, imprensa presente, não medem esforços para aparecer, custe o que custar. Acabam dando tiro no pé, principalmente àqueles que fazem oposição e não têm uma assessoria competente para orientá-los, já que estão indo por um caminho nada recomendável, que no lugar de conquistar mais votos acabam perdendo o que tem.


Nesses 40 e poucos anos de jornalismo, cobrindo sessões ordinárias e extraordinárias no Rio, Mato Grosso do Sul e Brasília, pensei que tinha visto de tudo, mas me enganei.


Ontem, presenciei cenas deprimentes na sessão ordinária da Câmara Municipal de Maricá, cidade que mais cresce no Estado do Rio, que tem a maior arrecadação de royalties do petróleo, vocação turística, mas com vereadores despreparados.


O democrata oposicionista Felipe Poubel, em seu primeiro mandato, sempre utilizou como estratégia ser o último a falar nas sessões. Mete o pau no governo e ponto final, não dá tempo para réplicas. Mas ontem a coisa foi diferente. Ao se defender de ter sido considerado hipócrita, partiu para ataque pessoal ao vereador Dr. Felipe Auni (PSD), chamando-o de “estelionatário eleitoral” por ter sido oposição ao governo petista instalado há 8 anos na cidade e agora defensor da atuação administração comandada pelo prefeito Fabiano Horta (PT).


“Você troca de lado como troca de cueca, em busca de carguinhos na prefeitura”, afirmou Poubel acrescentando que vai continuar fazendo oposição e fiscalizando as ações do Executivo por ser essa a atribuição de um vereador.


O presidente da Casa, experiente vereador Aldair de Linda (PT) deu 3 minutos para o Dr. Felipe Auni se defender.


“Você é hipócrita, a carapuça entrou. No final do ano passado, você Poubel, se reuniu com os democratas Marcinho da Construção e Ismael Breve e Ricardinho Netuno (PEN) pensando num encontro com o prefeito eleito para reivindicar 25 cargos. Você queria esses cargos na prefeitura e não conseguiu. O senhor é hipócrita, não sabe legislar e é passível de cassação de mandato. Fabiano não precisa de você”, disse Auni desafiando Poubel a provar que ele tem algum parente nomeado na prefeitura.


O presidente Aldair quis terminar a sessão alegando que do jeito que estava a imprensa iria dizer que a Câmara virou bagunça. Se virou não sei, sei apenas que a assessoria de imprensa da Casa é incompetente, não se impõe e deixa a 1ª Secretaria da Câmara adotar “economia porca” em não permitir que se tire cópias suficientes da pauta do dia para os jornalistas.


Porém, uma funcionária desta secretaria comandada pelo vereador Marcus Bambam (PV) sempre distribui cópias para quem não é da mídia. A economia é de apenas 30, 40 folhas A4 impressas por sessão. Será que esse pessoal, inclusive a assessoria de imprensa, sabe quanto custa um espaço na mídia? Falta noção de custo-benefício.


A Câmara de Vereadores de Maricá não está tão pobre assim para fazer esse tipo de economia. Na administração anterior devolveu aos cofres da Prefeitura quase R$ 1.500 milhão, cada um dos 17 vereadores tem direito a um carro zero quilômetro com 500 litros de gasolina/mês, dois celulares (um para ele e outro para o chefe de gabinete), cafezinho e água mineral à vontade etc.


Ao assumir a presidência da Casa, no início do ano, Aldair de Linda disse a esse jornalista e a outros companheiros que a imprensa teria uma atenção especial na sua administração. Parece que a 1ª Secretaria não foi comunicada. Vamos aguardar. Ah, só para terminar, os lugares reservados para os jornalistas são ocupados por assessores parlamentares e familiares de vereadores.


Esperamos que os vereadores discutam em alto nível, sem baixarias, que fiscalizem as ações do Executivo e que façam leis para beneficiar a população de Maricá, que eles e seus familiares também fazem parte.